Esse nome é realmente bom? Ele foi testado antes?

É comum pessoas ou empresas que criam nomes para marcas fazerem uma pesquisa com possíveis consumidores para ver quais das opções de nomes que criaram agrada mais. Isso serve para eles usarem como ‘prova’ para o cliente, de que o nome será bem aceito, pois já houve um teste de mercado e ‘aceitação’ prévia.

A Batiza sempre se questionou sobre essa questão por alguns fatores:

1. Para fazer uma pesquisa, um número considerável de pessoas devem ser entrevistadas. Não acredito que 50 pessoas, através de um formulário online, sejam suficientes para validar um nome.

2. Não basta ser qualquer pessoa, teria que ser o público-alvo da empresa/produto/serviço em questão. Se a pesquisa for com uma pessoa que não vá se relacionar com a marca, qual é a relevância de obter as respostas dela?

3. Isso é serviço para empresas especializadas em pesquisas, que possuem conhecimento, metodologia eficaz e comprovada . Existe um jeito certo de fazer as perguntas, de selecionar o perfil do pesquisado, de conduzir a pesquisa e principalmente de interpretar os dados, que pessoas leigas não fazem noção de como realizar. Não é uma questão apenas de coletar e observar dados e sim de interpretação e análise.

4. A pesquisa deve ser realizada levando em consideração a neurociência, pois a mente do ser humano é muito complexa e apenas especialistas conseguem desvendar ela. Existe uma diferença entre o que os consumidores dizem e a maneira como eles realmente agem. É comum uma pessoa responder que não gosta de algo mas no fundo ela gosta e vice-versa.

Portanto, acredito que uma pesquisa tradicional, amadora e superficial é ineficiente, descartável e até mesmo enganosa. Muito cuidado com essa falsa ilusão!

Mas acredito em pesquisas contratadas de empresas especializadas sérias, que estão aptas a proporcionar segurança ao cliente, apresentando dados adequados, relevantes e que de fato retratam a realidade. Então, se for para oferecer pesquisa, que seja feito de maneira profissional e responsável. Infelizmente, isso é inviável para empresas pequenas ou projetos menores, devido ao custo elevado.

Como dar segurança ao cliente de que ele receberá um bom nome?
Essa garantia não existe pois nome é construção!
Mas existe sim chance de entregar uma opção promissora. Um nome que vai além da simples criação e é pensado de maneira estratégica tem grandes chances de se dar bem. Para isso é preciso compreender muito bem a estratégia de negócio do cliente, a estratégia de marca, o mercado no qual o nome será inserido e seus concorrentes para conseguir formular uma estratégia de criação, que orientará para um nome original, adequado ao negócio e relevante para o público.
(Falo isso levando em consideração o processo da Batiza.)

Além disso, é preciso ter sintonia entre cliente e o Namer, que deverá ouvir com muita atenção o cliente, entender as suas necessidades, desejos, gosto pessoal e expectativas em relação ao projeto.

E por outro lado, o cliente deve além de acreditar na expertise do profissional que está contratando, confiar no seu julgamento, no seu feeling, na sua capacidade de mergulhar no projeto e colocar para fora o que ele vislumbra como o melhor para aquela marca.

Portanto, um nome é uma aposta! É um processo racional mas também emocional que exige confiança de ambas as partes, e claro gerar identificação e fazer sentido para o dono do negócio.

Ana Carolina Mosimann

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s